Países lançam pacotes de investimento no pós-pandemia

Ir para o conteúdo
Parcerias

Países lançam pacotes de investimento no pós-pandemia

SINICON
Publicado por Poder 360 em POLÍTICA · 11 Dezembro 2022
Muitos países lançaram pacotes de investimentos em infraestrutura para ter crescimento depois do início da pandemia –que resultou em restrições à circulação de pessoas e materiais. A preferência pela infraestrutura tem um motivo simples: a capacidade de impulsionar o desenvolvimento da economia, tanto no curto quanto no longo prazo.

O governo dos Estados Unidos, comandado pelo democrata Joe Biden, sancionou uma lei no final de 2021 que criou o pacote de US$ 1 trilhão em investimentos em estradas, pontes, pontos de carregamento de carros elétricos e proteção ambiental. É um dos maiores pacotes assinados por um presidente norte-americano em todos os tempos. Além disso, a Câmara de Representantes norte-americana aprovou em 8 de dezembro de 2022 um pacote de US$ 858 bilhões o setor de defesa.

concordo com os termos da LGPD.
A União Europeia preparou em dezembro de 2021 um pacote de US$ 300 bilhões para recuperar a economia até 2027, com alcance global –inclusive para melhorar a sua posição geopolítica frente à China. O dinheiro será aplicado em 5 áreas-chave: setor digital, clima, energia, transporte e saúde.

O Reino Unido criou em setembro de 2021 o “Plano de Crescimento”, centrado em infraestrutura, habilidades e inovação, que inclui uma promessa de aumentar o investimento para uma média de 2,7% do PIB até 2025. O percentual é quase o dobro da média dos últimos 40 anos.

A Alemanha lançou em julho de 2022 um pacote de US$ 190 bilhões para melhorar a estrutura industrial do país, incluindo proteção climática, tecnologia de hidrogênio e expansão da rede de carregamento de veículos elétricos.

Já a China reservou em junho deste ano US$ 1,5 trilhão para 1.300 novos projetos –principalmente na área de inteligência artificial.



O Brasil, em sentido inverso, deve terminar o ano com investimento equivalente a 1,7% do PIB (Produto Interno Bruto). Ainda não está claro se esse percentual vai subir nos próximos anos. Não há tampouco um plano desenhado de investimento global em infraestrutura no país.

INVESTIMENTO NO MUNDO
O estoque global de infraestrutura, que inclui, por exemplo, as ferrovias, aeroportos e rodovias já existentes, em parcela do PIB, estava caindo ao longo dos últimos anos. Países desenvolvidos, como o Japão, têm estoque de infraestrutura acima de 60% do PIB. É um indicador altamente relevante para o desenvolvimento econômico de uma nação. O estoque do Brasil está bem abaixo disso: em 36,2%.

Há expectativa de que o estoque global de infraestrutura volte a subir no pós-pandemia.

Em 19 de outubro de 2022, o presidente dos Estados Unidos disse que a nova Lei de Infraestrutura sancionada no final de 2021 vai “construir o futuro norte-americano”, por meio do desenvolvimento de veículos elétricos e baterias.

Na avaliação de Joe Biden, é necessário ampliar o investimento em centros de pesquisa locais para as montadoras de automóveis liderarem o desenvolvimento da tecnologia na América do Norte.

Há uma disputa geopolítica por trás desses investimentos. Segundo Biden, 75% das baterias para carros elétricos são produzidas na China, 2ª economia global e com relação pouco amistosa com os EUA.

“O futuro dos veículos é elétrico, mas a bateria é uma parte fundamental desse veículo elétrico”, declarou Biden. “Ao prejudicar os fabricantes americanos com seus subsídios e práticas comerciais desleais, a China conquistou uma parcela significativa do mercado”.

É interessante notar que o setor de placas de captação de energia solar é fortemente dominado por fabricantes chineses. No Brasil, 99% desse mercado é de fabricantes chineses.

O desafio é grande. Nas contas do Global Infrastructure Hub, o mundo precisará de US$ 82 trilhões em investimentos até 2040 nas mais diversas áreas. Será necessário dinheiro público e privado para atender a essa demanda. Fundos de pensão e de investimento, carentes do rendimento, estão de olho nos fluxos de caixa constantes dos ativos de infraestrutura para conseguir rentabilidade com essas aplicações.

Se tudo for bem estruturado, o dinheiro aplicado em projetos pode dar mais dinamismo e competitividade aos países. Cada moeda aplicada, seja para melhoria e construção de estradas, pontes e rodovias, pode resultar em novos empregos, maior arrecadação em impostos e crescimento do PIB.

Nas contas do FMI (Fundo Monetário Internacional), aumentar o investimento público em 1% do PIB pode fortalecer a confiança na recuperação econômica. O resultado seria um aumento do PIB em 2,7%, elevar o investimento privado em 10% e o emprego em 1,2%.

Mas para isso é necessário que governos e empresas não se endividem de modo excessivo. Isso eleva o risco de calote e reduz a confiança na economia.

Eis algumas recomendações do FMI para os projetos darem certo:

  • bom planejamento – o custo de um projeto pode aumentar de 10% a 15% se for realizado em um período em que o investimento é particularmente alto;
  • esbanjar dinheiro amplia preços – os aumentos de custos e atrasos dos projetos tendem a ser maiores se os planos forem aprovados e executados quando o investimento público for significativamente ampliado, mostra a análise;
  • transparência nos processos – rápidos aumentos do investimento público também aumentam risco de corrupção.

Esta reportagem faz parte da série Brasil à frente. Trata-se de um abrangente levantamento de informações do jornal digital Poder360 sobre os desafios do país nesta 3ª década do século 21, em que a democracia está em fase avançada de consolidação, mas as instituições e vários setores da economia ainda precisam de aperfeiçoamento.


Rua DEBRET, nº 23, 12º andar, Salas 1201 a 1207
Bairro Centro - Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20.030-080
Telefone: (21) 2210-1322
e-mail: sinicon@sinicon.org.br

SCS - Edifício Ceará - Quadra 1, bloco E, nº 30 - Salas 801 ,802, 813 e 814
Plano Piloto - Brasília - DF
CEP 70303-900
Telefone.: (61) 3223 3161
e-mail: brasilia@sinicon.org.br
SIGA-NOS:
Voltar para o conteúdo