Construtoras antes desconhecidas ocupam espaço no mercado

Ir para o conteúdo
Parcerias

Construtoras antes desconhecidas ocupam espaço no mercado

SINICON
Publicado por Poder 360 em ECONOMIA · 27 Dezembro 2022
Construtoras de pequeno e médio porte vêm ocupando parte do espaço deixado pelas ex-líderes do setor em 2015 e 2016, depois do tombo sofrido no auge da operação Lava Jato. Esse período foi também marcado por forte recessão.

Houve renovação de 65% na lista das 20 maiores empreiteiras do país desde o início da operação anticorrupção até 2021. Só 7 das que estão no topo atualmente estavam entre as maiores em 2013, quando o país tinha o maior percentual de investimento em infraestrutura em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) do século (2,4%) e as grandes operações não haviam sido iniciadas.

A U&M, especializada em mineração e construção pesada, atingiu o 3º lugar do ranking das maiores construtoras em 2022 elaborado pela revista O Empreiteiro. A companhia atingiu em 2021 um faturamento de R$ 1,3 bilhão, com cerca de 3.000 funcionários. Antes de 2017, não estava entre as maiores do setor.

Uma empresa estrangeira está entre as que mais ganharam espaço, a construtora espanhola Acciona aparece em 4º lugar no ranking, com 3.890 funcionários e faturamento de R$ 1,3 bilhão em 2021. Teve alta de 657% ante 2020.

Os dados compilados pelo Poder360, a partir do ranking, mostram uma pulverização no setor de construção. Pequenas empresas tornaram-se médias. As que tinham porte intermediário anteriormente pouco avançaram. Muitas desapareceram.

Construtoras que estiveram na mira das investigações contra esquema de desvio de recursos em obras públicas encolheram até 90%.

Antes da crise, as 5 maiores companhias do setor tinham uma receita acima de R$ 4 bilhões por ano cada uma. Agora, não há nenhuma empresa acima desse patamar.

A Odebrecht, que tinha um faturamento de R$ 10,1 bilhões em 2013, continua na liderança, com novo nome: OEC. Mas tem uma receita 70% menor, de R$ 3 bilhões anuais.



Outras ex-líderes, como Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa Infra, não estão no ranking da revista O Empreiteiro de 2022 por falta de dados. Balanços anteriores apontam que as companhias têm um faturamento acima de R$ 1 bilhão. Se considerar que essas companhias mantêm esse faturamento em 2021, o percentual de renovação no ranking cai para 55%.

Houve reconfiguração na participação do Estado na economia ao longo desse período de quase uma década. O governo federal, que antes fazia grandes investimentos em infraestrutura, teve o orçamento reduzido nos últimos anos por causa de restrições fiscais. A Lei de Teto de Gastos Públicos limitou o crescimento das despesas à inflação.

Ministérios responsáveis por obras, como os da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional, diminuíram substancialmente os contratos por grandes projetos (aqueles com custos acima de R$ 500 milhões por ano).



O presidente Jair Bolsonaro (PL) terminará o mandato em 2022 tendo investido R$ 78 bilhões em 4 anos em grandes obras –somando-se a participação de grandes estatais, como Petrobras e Eletrobras. No 1º mandato de Dilma Rousseff (PT), de 2011 a 2014, houve um pico de R$ 179,8 bilhões em investimentos. É o maior das últimas 2 décadas. Mas há discussões sobre a eficiência no uso desses recursos.

A crise econômica afastou obras privadas e instalou-se uma desconfiança com as empresas brasileiras. Em 2013, o setor de engenharia e construção atingiu o pico de faturamento de R$ 179,6 bilhões. Caiu para R$ 68 bilhões em 2016 (auge da crise). Em 2021, ficou em R$ 68,3 bilhões.



O governo federal e os governos estaduais e das cidades têm ampliado as concessões e parcerias público-privadas para compensar a falta de dinheiro público para investir em infraestrutura, como rodovias, aeroportos e saneamento básico (fornecimento de água e tratamento de esgoto).

Nesse cenário, muitas companhias preferem agora entrar em disputas como prestadoras de serviços às concessionárias, que vêm implantando novos processos para construções.

Antes, era mais comum um órgão governamental contratar uma empreiteira diretamente. A construtora tinha incentivo para conseguir o maior lucro possível do valor da obra em si.

No modelo de concessão, a ganhadora da disputa prestará um serviço por décadas. Receberá pelo valor do serviço como um todo ao longo do período, não uma única obra.

Em uma concessão de uma rodoviária, por exemplo, a concessionária vence o leilão caso demonstre que prestará o melhor serviço por 35 anos. O retorno sobre o investimento se dá depois do 1º ciclo de investimento, em torno de 10 anos.



Muitas construtoras se adaptaram aos novos modelos de contratos. Outras grandes perderam o fôlego para entrar nessas disputas como investidoras para ganhar concessões. O financiamento ficou difícil às companhias envolvidas na Lava Jato. Isso também dificultou outras empresas coligadas do mesmo grupo a manterem o investimento.

O dono de uma dessas construtoras relatou ao Poder360 que as conversas com os bancos são muito difíceis. A empresa tem acesso a crédito, mas em condições muito piores do que as de companhias do mesmo porte no mercado. Antes da Lava Jato era o oposto: as grandes construtoras tinham acesso a crédito mais barato do que a média das empresas do mesmo tamanho.

O aeroporto internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, foi concedido para a iniciativa privada em 2013, com um lance de R$ 19 bilhões de um consórcio que incluiu a Odebrecht Transport (subsidiária da Novonor). Em 2017, o controle acionário do aeroporto foi vendido à operadora asiática Changi (de Cingapura), que já era sócia minoritária do empreendimento. A Changi devolveu a concessão.

Em outro caso, em 2021, a espanhola Acciona comprou a concessão da Linha 6 do metrô de São Paulo, inicialmente da Move São Paulo, formada por Odebrecht, Mitsui, UTC e Queiroz Galvão. Na parceria público-privada do governo paulista, a Acciona é responsável pela escavação dos túneis por onde os trens irão trafegar.

Depois que as grandes empreiteiras deixaram de ser protagonistas, fundos de investimento soberanos (como o Mubadala, dos Emirados Árabes) e fundos nacionais vêm se movimentando para conquistar os projetos de infraestrutura oferecidos para concessão. Globalmente é comum os fundos liderarem esses projetos. Depois de vencer o leilão, contratam a construtora que faz a melhor oferta de serviço.



Esta reportagem faz parte da série Brasil à frente. Trata-se de um abrangente levantamento de informações do jornal digital Poder360 sobre os desafios do país nesta 3ª década do século 21, em que a democracia está em fase avançada de consolidação, mas as instituições e vários setores da economia ainda precisam de aperfeiçoamento.



Rua DEBRET, nº 23, 12º andar, Salas 1201 a 1207
Bairro Centro - Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20.030-080
Telefone: (21) 2210-1322
e-mail: sinicon@sinicon.org.br

SCS - Edifício Ceará - Quadra 1, bloco E, nº 30 - Salas 801 ,802, 813 e 814
Plano Piloto - Brasília - DF
CEP 70303-900
Telefone.: (61) 3223 3161
e-mail: brasilia@sinicon.org.br
SIGA-NOS:
Voltar para o conteúdo